Toshyro Inovação e Tecnologia

TIC na indústria: a importância da evolução da TI

TIC na indústria: a importância da evolução da TI
Sobreposição estática
Fazemos o ERP Datasul trabalhar para você

Como uma extensão da tradicional TI, a tecnologia da informação e comunicação (TIC) na indústria volta sua atenção também para os sistemas de comunicação entre profissionais e a tradicional infraestrutura de hardwares e softwares.

Essa evolução da TI visa planejar estrategicamente uma infraestrutura na qual hardwares, softwares e comunicações entre pessoas e máquinas funcionem de maneira integrada em prol de vantagem competitiva.

Inclusive, TIC é um conceito fundamental para a indústria 4.0, modelo que propicia uma linha de produção mais moderna e conectada. Por exemplo, sistemas de comunicação entre equipamentos podem aumentar a velocidade da transferência de dados entre profissionais e maquinário, elevar a produtividade da linha e qualificar a gestão do setor com informação mais rica concedida ao gestor.

Acompanhe-nos e veja quais são as diferenças entre TI e TIC e como essa evolução pode ser aplicada na indústria.

Diferenças entre TIC e TI

O foco da TI sempre foi movimentação, uso e gestão de dados, além da manutenção de infraestruturas de tecnologia com otimização do desempenho. Por isso, muitas vezes os gestores da área deixam de lado a parte da comunicação, mesmo que ela seja inerente a alguns pontos da infraestrutura, para focar no tratamento da informação e na operação dos componentes tangíveis e intangíveis da infraestrutura.

Como consequência da diferença de abrangência estratégica dos conceitos, a TIC acaba impondo também uma cultura distinta para o setor, seu planejamento e as atividades diárias. Por exemplo, colaboração, gestão de conhecimento e comunicação integrada são alguns quesitos que precisam ser permeados pela empresa para a aplicação da TIC, cultural e estruturalmente.

Aplicação da TIC na indústria

Reformulação da comunicação interna

Os principais objetivos das mudanças na comunicação interna devem ser agilizá-la e torná-la mais inteligente. Ou seja, devem ser estabelecidos critérios a serem seguidos pelos profissionais e implementadas ferramentas que permitam elevar a velocidade da comunicação e integrar profissionais e setores.

Para o próprio setor de TI, chamadas telefônicas, mensagens dispersas em canais variados, e-mails e contato presencial podem ser substituídos por uma central de chamados, como help desk, que centraliza todas as solicitações, as classifica e também armazena e gera dados sobre atendimentos e ocorrências.

Da mesma forma, a comunicação entre os demais departamentos pode ser centralizada e regrada para eliminar as possibilidades de ruídos e perda de tempo. Uma intranet, com integração ao ERP, é uma forma de centralizar toda a comunicação, dar mais segurança a dados e documentos e ainda elevar a produtividade em tarefas e projetos que unem setores distintos.

Reformulação da comunicação externa

Se a organização utiliza a telefonia comum, WhatsApp e outros meios mais tradicionais de comunicação com clientes, fornecedores e outros stakeholders, isso pode fugir do controle do gestor de tecnologia. E é de se esperar que nesse cenário os custos de comunicação sejam maiores, especialmente pela telefonia tradicional, e a eficiência não seja a maior possível.

Com a TIC na indústria, uma infraestrutura local, que não está à mercê das redes de telefonia em geral e é totalmente controlada pela empresa, pode ser implementada. Por exemplo, com a telefonia VoIP é possível que o setor de TI fique no comando do sistema de comunicação externa de todo negócio, reduzindo gastos com chamadas tradicionais. Além disso, nesse formato o negócio pode ter vantagens como:

  • gravação facilitada de ligações;
  • recursos de anotação e inserção de dados adicionais em plataforma ou dashboard de controle do sistema;
  • integração: o departamento de vendas, por exemplo, pode integrar chamadas e negócios em andamento com o módulo comercial do ERP ou outra ferramenta de força de vendas.

Integração de máquinas e geração de dados

Por mais que um equipamento não gere dados durante sua atuação na linha de produção, ele pode fazer isso e provavelmente essa informação é útil para demais etapas da linha e para a gestão do setor. Então, é interessante promover a geração e o compartilhamento de dados na cadeia produtiva para elevar a competitividade do negócio, preferencialmente por parte do maquinário e de maneira integrada com softwares e sistema de gestão.

O que ocorre em muitas indústrias é a anotação manual de dados sobre os processos produtivos e seu desempenho. Apesar de útil, esse funcionamento dificulta o compartilhamento dos registros e dá margem para a inexatidão.

O ideal é que os próprios equipamentos registrem informações sobre os seus processos, entreguem-nos em dashboards e relatórios e façam a movimentação deles para o restante da infraestrutura do setor.

Não sendo possível, outros meios podem assumir esse papel, como sensores que leem a área de produção e geram informação relevante para uso gerencial e movimentação facilitada entre os profissionais envolvidos na linha e em fatores que influenciam nela também indiretamente.

No momento de pensar em desenvolvimento de TIC na indústria, outras análises devem ganhar espaço para que a evolução do setor de tecnologia não gere problemas futuros, como os riscos existentes nas integrações de sistemas e a adequação entre processos e softwares. Então, acesse nossa página de materiais para download e leia sobre esses e outros assuntos importantes para o setor de TI.

Focando em tecnologia, nossa página de materiais gratuitos conta com diversos e-books produzidos após muita pesquisa e análise de desafios das indústrias na área tecnológica, como boas práticas para lidar com Propath, diretórios e ambientes de específicos no ERP Totvs.